sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Lia

E Lia ria pela estrada nua
Que se lhe abria como caminhada
E perseguia uma ensandecida lua
Que se movia como se fosse alada

E Lia ria como quem fugia
Da primazia de uma sorte errada
Que lhe valia uma envergonhada rua
Que lhe acolhia como se fosse amada

E Lia ria como lhe aprazia
Como quem sorria do que pranteava
Chorava Lia como lhe cabia
Como bem queria do que lhe tragava

E ria Lia como quem urrava,
O que suportava, o que lhe doía
Como quem amava Lia não vivia
Lia só morria como quem vagava
George Arribas

15 comentários:

  1. Antônio Fernandes13 de janeiro de 2009 07:19

    Forte e extremamento belo.
    Aliás, um dos mais belos poemas que li; impactante como um verdadeiro ensaio filosófico.
    Parabens poeta !

    ResponderExcluir
  2. É o cotidiano das Lias dos nossos dias e os nossos dias de Lia.
    Não é uma poesia para um leitor desavisado, amante do café com letras.
    Ele força duramente o reflexivo.
    E ria Lia como quem urrava,
    Do que suportava, do que lhe doía
    Como quem amava Lia não vivia
    Lia só morria como quem vagava...

    Ah poetinha que presente maravilhoso!
    MH

    ResponderExcluir
  3. Meu poeta que inspiração imensa!
    -'LIA' é uma página que se insere obrigatoriamente na história da literatura poética em língua portuguesa
    Aqui estive por recomendação e permaneço maravilhado com tudo que assisto
    BRAVO!

    ResponderExcluir
  4. Lustato Tenterrara21 de janeiro de 2009 00:25

    EXCEPCIONAL....

    Lindíssismo.

    Abraço.

    Lindo poema... Lia... Coisa de mestre.

    Se vc tivesse vivido para escrever um únic poema,e o poema fosse esse, vc já estaria imortal.

    Lindo demais mesmo.

    Me permita fazer um Foto-Poema
    (se permitir, me envia um e-mail autorizando, ok)

    Por favor, dê-nos a honra de contar com sua amizade em nossa rede social Brasil Poesia

    Abraço.

    Lustato.

    ResponderExcluir
  5. Só do ALTO pode vir uma inspiração dessa, sem comentários
    Deus derrame mais preciosidades assim em tua mão

    ResponderExcluir
  6. Lindo, Arribas,
    Parabéns!
    Miguel Cox

    ResponderExcluir
  7. ARRIBAS!
    QUEM É ESTA LIA?
    QUE COM MUITA ALEGRIA
    PASSEI A CONHECER
    SEM NUNCA TER VISTO
    SEM NUNCA OLHAR
    E É POR ISTO
    QUE MANDO ESTE VERSO
    QUE VOOU PELO UNIVERSO
    SÓ POR SONHAR
    PAX
    TÚLIO

    ResponderExcluir
  8. Minha mente associava Lia a algo grandioso, e só hoje consegui completar essa ligação.
    Se me permite, deixo as palavras de um outro poeta nesse meu comentário:

    Descalça vai para a fonte

    Luís Vaz de Camões


    Descalça vai para a fonte
    Leonor pela verdura;
    Vai fermosa, e não segura.

    Leva na cabeça o pote,
    O testo nas mãos de prata,
    Cinta de fina escarlata,
    Sainho de chamelote;
    Traz a vasquinha de cote,
    Mais branca que a neve pura.
    Vai fermosa e não segura.

    Descobre a touca a garganta,
    Cabelos de ouro entrançado
    Fita de cor de encarnado,
    Tão linda que o mundo espanta.
    Chove nela graça tanta,
    Que dá graça à fermosura.
    Vai fermosa e não segura.

    Beijos!
    Elsa.

    ResponderExcluir
  9. Raul Villas (Porto /PT)2 de fevereiro de 2009 21:11

    Caríssimo poeta
    Poderias parar de escrever com este poema que já terias ido bem mais além dos elogios que o inigualável Gilberto Freyre te conferiu.
    Uma sucessão de impactos; sugestivos, emotivos e fascinantes
    Raul Villas

    ResponderExcluir
  10. Parabéns Sr George,

    Não sei exatamente como conseguiu meu e-mail, mas agradeço por tê-lo encontrado,

    Um grande abraço

    Rafael Moreira

    ResponderExcluir
  11. Antônio Maria (PT)3 de março de 2009 17:22

    Magnífico!
    Ao ter escrito algo tão precioso largarias a humildade e passarias a expor o que escrevestes pelos recantos do mundo.
    Teu poema 'LIA' é um clássico da literatura em língua portuguesa.
    Acompanho todos os comentários anteriores e te acrescento um Bravíssimo POETA !

    Antônio Maria de Albuquerque

    ResponderExcluir
  12. Que poema é esse que nos assusta com a profundidade quando nos eleva para as alturas da complexidade cognitiva - duvidando minhas dúvidas e razões???
    Uma obra-prima tecestes em tuas mãos - parabens!
    Laís

    ResponderExcluir
  13. Urias Vilandre (Santiago - Chile)10 de março de 2009 00:28

    Belissima!
    Obra prima !
    Parabens !
    Urias Vilandre

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  15. Grandes obras meu amigo.

    Obrigado George por participar
    do nosso Concurso Poemas Tag Mil 2009
    destarte concedendo-nos a honra de poder ser teu editor em tão maravilhosas obras.

    http://brasilpoesias.ning.com/group/PoemasTagMIL/forum/topics/lia-teus-sinais-teu-retrato

    Assim que publicadas no blog
    http://brasilpoesias.blogspot.com/
    te envio os links.

    Um abraço.

    Lustato

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu comentário