quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Infante Derradeiro


Na noite ele fez seu ninho,
e dele um estimado confidente.
Viu surgir de seu encanto um lindo canto,
e em seu silêncio abraçou-o tão sozinho.

 Ouvia-se o som de sua voz calada,
como toada de um amor infindo...
E na distância o seu olhar sorrindo,
partindo ao encontro de uma doce amada...

 Pôs-se a pensar no que fizera os anos,
em sua ingênua, em sua rasgada face...
Pensou no mundo como se o achasse lindo,
não o achasse findo e só o amor bastasse...
George Arribas
Posted by Picasa

Um comentário:

  1. Lidiane Ferreira de Castro21 de janeiro de 2009 13:35

    Você fala na terceira pessoa se revelando em todo Ele - poema/pessoa
    Escreveria isso aos 100 anos de idade e não escreveria pois a idade não permitiria
    Parabens aos tres - voce, 'ele' e o poema
    Anne

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu comentário