sexta-feira, 25 de setembro de 2009

A Dona da Aldeia


Vejo sinais além do cais...
Como quintais a mais na areia
Velando velas zenitais
Que atroz voraz o vento ateia

Por entre umbrais escuto os ais
Dos frios punhais que a dor golpeia
Em profundezas abissais
Dona demais da minha aldeia
George Arribas
Posted by Picasa

17 comentários:

  1. Maravilhoso o seu poema !
    Essa 'aldeia' que vivemos é onde a dor cresce vive e não morre...
    Parabens !
    Lu

    ResponderExcluir
  2. Caro Poeta
    Além de belo e harmônico o seu poema é de um lirismo contemplativo que muito me impressionou desde a primeira linha.
    Você é um legítimo representante da bela escola,
    gostei muito.
    Uma cruel verdade é escrita ternamente; a dor é 'dona demais de nossa aldeia'.
    Ênio Santoro

    ResponderExcluir
  3. George
    Acessei e adorei!
    Uma ótima pausa entre os desenhos autocadianos da arquitetura que elaboro inspirada pelo maravilhoso Espírito de Deus.
    Que Jesus continue te abençoando...
    Cyndia

    ResponderExcluir
  4. Arribas!
    Que Deus te abençoe!
    Deus trabalha no coração do homem para que ele possa ser LUZ para o mundo.
    E você esta fazendo a sua parte,
    Amem,
    CONTINUE ASSIM,
    MARILEIDE

    ResponderExcluir
  5. Marcos Vinícius (SP)6 de outubro de 2009 19:31

    Caro Arribas
    Estou maravilhado com os seus poemas, são muito bem escritos.
    Como os grandes poetas, na manhã de cada poesia você realiza o eternamente da ALDEIA em seus poemas.
    Grande abraço,
    Vinícius

    ResponderExcluir
  6. Arribas, gostei bastante da forma com que você dá ritmo ao poema.
    Abraços.

    Jorge Sader Filho

    ResponderExcluir
  7. Olá..
    Quanto tempo que não venho aqui e é sempre um prazer estar aqui de volta para ler ótimas poesias como as suas!!!
    Parabéns!
    Ah, indiquei teu blog em um Selo que ganhei.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Caro poeta, bela escrita numa tônica lírico-subjetiva expressiva. Poema bem versejado e encantador ! Um abraço amigo.

    ResponderExcluir
  9. Ana Maria Oliveira (PT)10 de outubro de 2009 12:56

    Poema de extrema beleza, conteúdo e forma.
    É a primeira vez que comento, mas não é a primeira vez que venho cá desfrutar finuras.
    Ana Maria

    ResponderExcluir
  10. Caríssimo,
    Lindo, maravilhoso, significativo...
    Só não tenho nenhum tempo de prosseguir.
    Quando puder digo-lhe o porquê.
    Obrigado por ter tido o privilégio desta leitura matinal neste domingo.
    Como você escreve bem!Parabéns!!!
    Beijo-o com carinho,
    Eliane

    ResponderExcluir
  11. Caro poeta, belo e melodioso poema. Um abraço.

    ResponderExcluir
  12. É profundo e muito escrito o seu poema que fala dos nossos dias...
    Um grande beijo,
    Hildinha

    ResponderExcluir
  13. O mesmo posso dizer do seu blog e da sua escrita, que bela poesia! =)
    Muito obrigada pelo conmentário e pelo poema, gostei muito. **

    ResponderExcluir
  14. O mesmo posso dizer do seu blog e da sua escrita, que bela poesia!
    Muito obrigada pelo conmentário e pelo poema, gostei muito.
    Mafii

    ResponderExcluir
  15. Caro, George,

    nos ais,
    e nos demais,
    os versos nos trazem
    dores
    e vetores
    e além ver
    e além mar...

    na poesia nos encontramos,
    um abraço,

    ResponderExcluir
  16. Caro Arribas
    Você é um poeta de raro valor.
    Poeta de belos arranjos e sensibilidade privilegiada.
    Parabens, poeta !
    Dyrce

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu comentário