segunda-feira, 6 de abril de 2009

Reticente Mente

A arte insólita, a solidão latente
pungentemente o coração devora

Devora, mata, fere ardentemente
e friamente finge pelo mundo afora...
Como se outrora vivesse impunemente,
inconsequente vai a Deus e chora...

E cora a rubra face já estreita
pela penumbra oculta a parte mais inóspita...
Como se outrora fosse mais perfeita,
em contrafeita volta a Deus e implora!
George Arribas
Posted by Picasa

4 comentários:

  1. Reticente mente: como bem demonstra a gravura, mente que busca dois sentidos, como numa ferrovia um caminho seguro junto ao criador e outro por conta própria a sua dor. Pnese num poema reflexivo meu amado poeta. Deus abençoe a tua vida.

    ALDO CHAVES.

    ResponderExcluir
  2. Olá, George!!

    Belíssimos os seus poemas... de uma sofisticação ímpar!

    Parabéns pelo talento...

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  3. BOM DIA POETA....
    SÓ SE SABE DO QUE A SAUDADE É CAPAZ QUANDO A SENTIMOS......
    UM ABRÇO E FELIZ PÁSCOA...
    Enviado por Sônia Freire (Recanto das Letras)

    ResponderExcluir
  4. Ana Patrícia Figueiredo(RJ)24 de abril de 2009 15:57

    Poeta de versos profundos e bem trabalhados.
    Estou fascinada com tudo que vejo - lindo os seus versos, os seus poemas e a sua alma.
    Parabens poeta !
    Patty

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu comentário