segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

A Folha e o Vento

Exulta a folha inculta do meu peito
Verde beleza dos mistérios revelada
Traz os mistérios da beleza o corpo estreito
Esguia imagem a insanos olhos desnudada

Sons sobre tons esverdeiam o desconexo
Desbotando uma aquarela livre, ilimitada
Onde centelhas divinas e seus reflexos
Fazem flagrantes em minha alma descuidada

E sem passadas dança a dança, a bailarina.
A partitura pelo vento desenhada
Descompassada tessitura bela e fina
Palco, cortina, do destino desfraldada.

Assombra-me a visão acre e profana
Da perfeita criação desfigurada
Triste soneto da razão, da força humana
Da lira maior força então divorciada.

Insulta tempo inculto esvoaçante
Movimenta o sacrossanto que acalma
O infinito, no meu peito claudicante
A corsária folha filha de minh´ alma.
George Arribas

4 comentários:

  1. Deus te ilumine e tu escrevas
    muito mais coisas para a nossa alma
    Maria Martha

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pelo presente....é assim que recebo
    estes poemas seus..como um presente.
    São lindos...

    ResponderExcluir
  3. Maravilha poeta !!!
    Hildinha

    ResponderExcluir
  4. "Sons sobre tons esverdeiam o desconexo, desbotando uma aquarela livre, ilimitada, onde centelhas divinas e seus reflexos fazem flagrantes em minha alma descuidada".
    Que coisa linda!
    Abraço!
    Brisa Northeast

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu comentário